JORNAL MAIS VIDA – Mais Saúde

FEBRE AMARELA
Doença tem assustado a população

A febre amarela ocorre nas Américas do Sul e Central e ainda em alguns países da África e é transmitida por mosquitos em áreas urbanas ou silvestres. Sua manifestação é idêntica em ambos os casos de transmissão, pois o vírus e a evolução clínica são os mesmos — a diferença está apenas nos transmissores. No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue).

A infecção acontece quando uma pessoa que nunca tenha contraído a febre amarela ou tomado a vacina circula em áreas florestais e é picada por um mosquito infectado. Ao contrair a doença, a pessoa pode se tornar fonte de infecção para o Aedes aegypti no meio urbano. Além do homem, a infecção pelo vírus também pode acometer outros vertebrados. Os macacos podem desenvolver a febre amarela silvestre de forma velada, mas ter a quantidade de vírus suficiente para infectar mosquitos. Uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra.

Alguns casos de possível morte pela doença em humanos e macacos no DF e Entorno estão sendo investigados.

Vacinação

Na tentativa de conter o avanço do vírus em áreas urbanas, o governo do Distrito Federal orienta que a população receba apenas uma aplicação da vacina ao longo da vida. Para as crianças, é dada uma dose aos 9 meses e um reforço aos 4 anos de idade. A dose demora cerca de dez dias para garantir a imunização após a primeira aplicação.

Até abril de 2017, o Brasil seguia o esquema de reforço da vacina de 10 em 10 anos. No entanto, recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2013 mudou o programa ao comprovar que apenas uma dose plena do imunobiológico oferece de 90% a 98% de proteção, sem necessidade de outras. A imunização é realizada de 9 meses a 59 anos — gestantes, lactantes, pessoas com imunossupressão, crianças com mais de 6 meses e sexagenários precisam de recomendação médica.

Tomar mais de uma dose em intervalos curtos é arriscado. Isso não deve ser feito, porque a vacina é uma vacina de vírus vivo. E se as pessoas tomarem doses adicionais, pode ser que a carga viral seja muito alta e a pessoa tenha efeitos colaterais por causa do excesso de vacinas.

Desinformação e insegurança fazem com que muita gente procure os postos de saúde, acabando com os estoques. A vacina de febre amarela está no calendário do DF, por isso, quem é nascido aqui pode ter certeza de que é imunizado.

Quem perdeu o cartão ou não tem certeza de que foi imunizado deve procurar a unidade de saúde em que tomou ou pode ter tomado a vacina. Lá, identificarão pelo sistema. Caso não se lembre de qual posto foi ou se é de outra unidade da Federação, a orientação é procurar um dos postos para obter orientação.