JORNAL MAIS VIDA – Conectado

RASTREABILIDADE DE OPME
Segurança e certificação de próteses são direito do paciente

A correta gestão de órteses, próteses e materiais especiais – OPME é importante para garantir segurança aos pacientes e uma obrigação legal das operadoras de Saúde. Compete à operadora a adoção de medidas, no âmbito de sua atuação e/ou de seus prestadores contratados, para assegurar que todas as etiquetas de rastreabilidade dos dispositivos médicos implantáveis e semi-implantáveis contenham, em língua portuguesa, os seguintes dados: nome, modelo comercial, código do produto ou do componente do sistema, número do lote, nome do fabricante, identificação do importador, se for o caso, e número de registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa.

Da mesma forma que a operadora deve fiscalizar as etiquetas dos produtos, o paciente também deve estar atento às especificações técnicas de sua prótese, o que permite rastreá-la desde sua fabricação até o consumidor final. A rastreabilidade possibilita a localização de informações sempre que for necessária a investigação de eventos adversos identificados durante sua vida útil. Além disso, trata-se de uma ferramenta de redução dos riscos ao paciente, o que minimiza perdas e custos com eventuais indenizações.

A exigência da Anvisa vale para todos os produtos médicos implantáveis no corpo de forma permanente. As informações também devem ser inseridas no prontuário, em documento entregue ao paciente e até na documentação fiscal que gera a cobrança do produto.

E sabe por que isso é importante? Porque pode ajudar o médico durante o acompanhamento do paciente e melhor orientá-lo no caso de necessidade uma cirurgia de revisão. Além disso, se no futuro algum problema for constatado, é possível rastrear se o lote com problema foi implantado ou não em você. Por isso, exija seus direitos e garanta a sua saúde.

Veja no gráfico abaixo, disponibilizado em gestaoopme.com.br, como o paciente pode rastrear sua prótese.